Iguape se consagra como a Capital do Carnaval do Vale do Ribeira e Litoral Sul paulista

Na sexta-feira, 8/2, a Comissão Organizadora foi surpreendida com a presença de grande público que já se aglomerava na Praça. De acordo com a organização o primeiro dia sempre é mais calmo, porém, este ano, foi diferente, e anunciou como seriam os demais.

Todos os blocos que desfilaram na passarela do samba iguapense  fizeram a alegria dos foliões.  Merecem todo respeito e admiração os pioneiros e centenaristas Zé Pereira e Chaleira, bem como os blocos da Melhor Idade e A.P.A.E. – que a cada ano agrega mais amigos, incentivadores e apoiadores da inclusão.

Outra grande estrela da festa, o Boi Tatá e sua indiscutível bateria, como sempre, arrastaram multidão.  O Galo fez todas as famílias, que seguem o bloco, dançar e suar ao ritmo do frevo, o Só Alegria também reuniu famílias e o Litro com seu inesquecível refrão “Ai Meu Fígado…” é presença obrigatória para quem se intitula folião.

Por sua vez, os ritmistas do bloco Arrastão exibiram perfeita cadência e harmonia e o bloco Banho da Dorothéia tomou o centro da cidade e contou com toda irreverência e criatividade daqueles que se fantasiaram para animar ainda mais esta magnífica festa. Os Chapa Côco alcançou a meta e completaram as 61 voltas na Praça e os blocos com maior concentração de jovens foi o Paracetamal, Quero Parar Mas Não Consigo e o Kai&Sara que entrou na avenida com quatro mil abadas.

A Escola de Samba Mirim – Querubins desfilou com 150 componentes entre 6 e 17 anos, mergulhou na magia dos Contos Infantis e remeteu o público a famosos personagens como Os três Porquinhos, Alice no País das Maravilhas, Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, João e Maria e a bateria veio caracterizada de soldadinhos de chumbo. A G.R.E.S. Alvorada contou a historia do perfume e se apresentou com mais de 500 componentes que desfilaram em luxuosas fantasias e carros alegóricos. O enredo teve início lá Egito, passeou por Roma, Grécia, Índia, França e terminou no Brasil, com a Amazônia e relembrou a lavagem da escadaria do Bonfim, na Bahia.

Na segunda-feira, 11, o deputado estadual Samuel Moreira, o prefeito de Registro Gilson Fantin e o superintendente regional da Sabesp José Francisco Gomes Júnior, prestigiaram o prefeito Tony e acompanharam a programação da tarde, do Carnaval iguapense.

Na terça-feira, nem a chuva atrapalhou a empolgação dos foliões. Fogos iluminaram o céu para anunciar o último desfile. A noite encerrou com o bloco do Sobrado.

A infraestrutura da festa mais esperada da temporada teve novidades neste ano: foram instaladas três arquibancadas, com cobertura e sinalizadas, que garantiram o conforto de cerca de oito mil pessoas (sentadas). Antes eram apenas duas e mais um camarote, que desta vez, cedeu espaço para a nova arquibancada. O número de banheiros químicos também aumentou de 18 para 30, inclusive para deficientes, além de equipe de limpeza e sucção diária desses banheiros. Outras 30 pessoas foram contratadas para a limpeza, serviços de mão de obra e manutenção da cidade e bairros. Apenas a sonorização e iluminação apresentaram pequenas falhas, porém nada tirou o brilho e o entusiasmo do público.

Vale destacar, que pela primeira vez, não foi utilizada energia pública, mas três geradores que foram doados para uso nos dias de festa e que representará significante economia na ordem de R$ 40 mil para o município. No quesito economia, a organização ainda poupou R$ 76 mil em relação às despesas do Carnaval de 2012. A prefeitura também recebeu de cortesia tendas brancas padronizadas que abrigariam os vendedores ambulantes, porém os Bombeiros entenderam que por terem uma metragem maior poderiam, num momento de pânico, atrapalhar o fluxo. A orientação foi imediatamente acatada pela Comissão Organizadora.

Na saúde, seis ambulâncias e equipes de plantão trabalharam incansavelmente para fazer os atendimentos no centro da cidade e nos bairros do Icapara e Barra do Ribeira. Quatro mil kits compostos por informativos, gel lubrificante, preservativos femininos e masculinos, foram distribuídos no PIT – Posto de Informações Turísticas. Na Unidade Básica de Saúde, houve um crescente número de atendimentos em consequência da ingestão excessiva de álcool por jovens que desfilaram nos blocos maiores. O Conselho Tutelar também acompanhou grande parte das ocorrências.

Na segurança, além do efetivo militar do município, um contingente de 40 policiais entre soldados, cabos e um Oficial PM, da Operação Verão (ação conjunta com o Governo do Estado de São Paulo), reforçaram o patrulhamento em Iguape, Rocio, Barra do Ribeira e Icapara e mais 30 alunos, do Curso Superior de Formação de Polícia, da cidade de Registro, auxiliaram no policiamento e 60 homens trabalharam como apoio. Por prevenção a venda e uso de spray de espuma é proibida no município. Infelizmente, um acidente com vítima fatal de atropelamento entristeceu a todos. O prefeito expressa condolências aos familiares. No mais, de acordo com a Polícia ocorreu tudo dentro da normalidade daquilo que se espera nessa época.

O Departamento Jurídico também esclareceu que este ano o Centro de Eventos não foi cedido para uso carnavalesco apenas por questão de segurança e por orientação do Corpo de Bombeiros, pois o local não estava adequado para atender a demanda do evento e o Poder Público não quis correr riscos, já que qualquer incidente seria de responsabilidade da Prefeitura.

Os cinco dias de folia foram transmitidos em tempo real pelo portal da Prefeitura. Os relatórios do provedor constam que exatas 4.384 pessoas, do Brasil, Estados Unidos, Japão, Portugal, Rússia, Espanha, Alemanha, China, Canadá, México, Sweden e Grã Bretanha, acessaram o link para assistir aos desfiles.

Por conta do caos administrativo encontrado pela nova administração, o caixa zerado e apenas um mês para organizar o evento, diante de tantas prioridades, a realização do Carnaval só foi possível porque a Prefeitura Municipal contou com o apoio da Caixa Econômica Federal.

 

Fonte: PMI